Adriana Luz

Para sempre na areia...

Textos

Posso fazer você feliz hoje?
Certa vez, parafraseando uma música de sucesso, escrevi algo do tipo: “Hoje, preciso de você, com qualquer humor, com qualquer sorriso, hoje só sua presença vai me fazer feliz...só hoje... Amanhã pode ir embora. Beijos.” Claro que foi uma brincadeira, uma ironia, talvez... Postei numa das redes sociais, várias pessoas, percebendo a “piada”, partilharam, enfim... Não mais me lembrei disso, a não ser hoje.

Hoje é dia de São Jorge.  Nunca me “peguei” como devota dele, mas me lembro de que no quarto do meu avô (Pai Marinho) havia um quadro de São Jorge. Na vida toda de minha infância, lembro-me bem desse quadro. E lembro-me bem de cada detalhe da imagem. Aquele homem vestido com uma armadura dourada, montado num cavalo branco, e destruindo um dragão...

Outro dia, perguntei à minha mãe: “pai era devoto de São Jorge?”... Minha mãe gaguejou, meio  que titubeou sem saber se era devoção ... E eu disse: “era ou não era? Ele tinha um quadro do santo e não deixava ninguém tirar do lugar”...

E ela: acho que sim, não sei, acho que ele achava o quadro bonito...

Hum... Ok.  Belezas e ou devoções à parte, a questão  é que essa imagem de São Jorge é uma lembrança forte dentre tantas que tenho de imagens da infância. Não sei bem o que eu sentia, se medo ou achava bonito... Ou se achava bonito, mas o medo do dragão não me deixava achar a pintura tão bonita... Enfim... Era uma confusão de sentimentos em relação à imagem.

Pois bem...  Hoje, ao me lembrar de que era (é) dia dele, lembrei-me também do quadro. E fui ler mais a respeito... Não sei se meu avô sabia, mas São Jorge foi (e continua sendo) um dos santos mais venerados mundo afora... Considerado o Santo Guerreiro, indica, inclusive, o sincronismo religioso, já que diversos participantes de variadas religiões o têm como protetor.  E hoje também eu li um email de uma pessoa, em relação a outro que eu enviara... E o email dessa pessoa falava de meus textos, pedia-me para usar minhas palavras cada vez mais,  encorajava-me a escrever  muito...  (e aí, a pessoa falou os motivos, que não vêm ao caso agora)...

E enquanto eu lia o que a pessoa disse, lembrei-me de tanta gente a quem eu gostaria de escrever, dedicar meus textos. Pensei até em fazer um livro só de dedicatórias... Acho que o livro nunca teria fim... E aí me lembrei da música com a qual iniciei esse texto.

E então, o dia de Hoje, saltou-me, assim, diferente, diante de mim, com uma força maior... Não sei... De qualquer forma, quero com a simbologia da data (e toda a força do santo guerreiro), dedicar a todas as pessoas que, algum dia, passaram pela minha vida, sentiram-se bem (as que não se sentiram, perdão...), e de alguma maneira, cresceram ou acrescentaram algo de positivo em suas vidas. Quero muito que Toda a proteção Divina esteja em suas vidas...

Quero ainda dedicar aos meus primos queridos, todos,  a quem tenho vontade de escrever todos os dias, mas temo que nosso grupo seja “invadido” somente por textos meus. Por isso, dedico por aqui...

Em especial à Fernanda – que fez aniversário outro dia, mas no dia em que era o dia em que ela precisava de um dia muito feliz, eu estava num dia em “tela branca”... Não consegui pintar uma letrinha sequer.  E na dúvida entre estragar o quadro de um momento importante e ficar quieta,, preferi não pintar nada.

Mas hoje, dia de São Jorge , e com as lembranças da imagem do quadro tão importante em nossa casa de infância, eu dedico o texto a ela, Fernanda, minha prima do Paraná.

Hoje, Fernanda, queria que minhas palavras fossem a presença do  nosso “Seu Marinho”, da devoção, predileção ou beleza que ele achava na imagem do Santo protetor e Guerreiro... e  que ainda:  essa presença, força e proteção a faça feliz e muito, muito forte! Só hoje, só amanhã, só depois de todos os amanhãs... Por todos os dias e amanhãs... santos ou não.

Amém.


Adriana Luz
Enviado por Adriana Luz em 23/04/2014
Alterado em 23/04/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras