Adriana Luz

Para sempre na areia...

Textos

AUSÊNCIA
Sempre quando eu digo que a vida sem poesia não é vida, é protótipo... na verdade, essa minha fala se estende às diversas formas de arte... Eu, sinceramente, quando assisto a um espetáculo como o de hoje ( Espetáculo AUSÊNCIA - com o ator Luís Melo), eu tenho necessidade, vital mesmo, de reafirmar minha tese, e meu amor à arte. A peça " me pegou" logo de início. Eu realmente não esperava ver , ouvir, sentir, tudo o que vi, ouvi, senti... E mais, não imaginava mergulhar tão profundamente numa história não contada.

Sim, a peça AUSÊNCIA é uma história que não se conta, ela nos é apresentada quase de forma brutal,  e depois nos aperta a garganta, nos puxa da cadeira, nos joga num espaço inexistente e nos faz quase sufocar num mergulho sem volta naquilo que é pior do que qualquer situação humana. A própria ausência. Assim, a mim, explica-se o nome da peça; e o que me fica é isto: a ausência é pior do que qualquer solidão.

E ausência de quem? Não sei... Como disse, talvez a de nós mesmos... Há pior ausência do que não estarmos em nós, e buscarmos, como bichos sedentos, ávidos por alguma gota de vida, ou de água, mas não a encontrarmos? Há pior situação do que não morrermos de fato, apesar de já estarmos mortos e não nos atentarmos a isso? E termos todas as possibilidades de vida: portas, janelas... mas nenhuma delas nos satisfaz ou não nos é suficiente para nos tirar daquele espaço imundo, obscuro, fétido... em que nos encontramos?

E então, como espectadores/personagens ficamos ali, sufocados, sem voz, hipnotizados, tentando fugir daquilo que já entendemos que será jogado em nossa cara. Ou se aguenta firme ou, simplesmente, finge-se não estar ali. Finge-se a própria ausência, assim como muitas vezes somos obrigados a fingir quando não queremos aceitar o que nos está estampado na cara... Sim, porque a peça é forte, como são fortes todos as emoções ou sentimentos, quando vivenciados até a última instância.

E (sem saída?) somos cruéis. Cruéis como ratos, porque ratos são nojentos, igualmente ao ser humano quando se transforma em bicho, e se utiliza de outros bichos para saciar sua sede de vida, suas necessidades, sejam de energia, de abstração, de vingança, ou de crueldade, pura e simples...

E isso tudo, dentro de uma sublimidade maior, que é o amor por outro ser que não queremos que morra. E não queremos que morra por quê? Porque o amamos de fato? Porque somos donos dele? Ou porque este é o único ser que ali está conosco?  E então... deste amor cuidamos, com ele "viajamos", sonhamos, por ele nos enamoramos... E tudo vira poesia... E beleza, ainda que de uma sutil morbidez ou tristeza profunda... Daquelas tristezas que batem na alma... e que esmagam não o coração, mas todas as nossas imagens sublimes, quase sagradas, de noites que seriam de puro encantamento...

Mas e os ratos? Pois é. Ratos existem muitos, vários... E são (repito) nojentos, como nós, seres humanos, muitas vezes o somos. Por isso, soam como espelhos de nós mesmos. Por isso merecem e precisam ser torturados.

E a carência? Do que se trata? Seria o mesmo que amar? Seria o mesmo que amor? Seria o mesmo que posse? Seria o mesmo que falta de perspectiva em nossas potencialidades, ou uma eterna espera do outro? E por que cuidamos do outro? E o que fala mais alto em nós? O sublime ou o que há de mais baixo?

No final de tudo, o quê ou quem nos sobra? Aquele a quem amamos ou aquele em quem pisoteamos, ou quem torturamos? Aliás, quem estaríamos ou estamos torturando mesmo?

O "objeto amado"?

O "objeto já torturado" ?

Ou nós mesmos, que somos apenas "objetos" quando nada mais faz sentido... e as pancadas nos ouvidos, na mente, nas costelas, no esôfago... ou onde quer que
estejam... além de uma janela para o nada, são as únicas coisas que nos restam?

AUSÊNCIA não nos conta nada. Mas questiona e, intimamente, diz-nos muita coisa.

Magistral. Não consigo mais nenhum adjetivo. Creio que nisso encerram todos os meus elogios à peça que, hoje, tive oportunidade de ver, magistralmente...

É isso.

(Adriana Luz)
Adriana Luz
Enviado por Adriana Luz em 10/03/2014
Alterado em 11/06/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.adrianaluz.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras