Adriana Luz

Para sempre na areia...

Textos

DESEJOS INFINITOS

Ah, Mário Quintana... Por que não vivi em sua época, por que não o conheci?... Será que ainda dá tempo? O tempo é tão relativo, não é mesmo? Então... eu daqui, você daí... sejamos "padres, pastores, poetas ou viajantes do espaço", somos todos caminhantes deste caminho que se chama Vida... Bora espalhar poesia? Eu te ajudo e você me ajuda...Com muita admiração, respeito e carinho... AMÉM.

Adriana Luz.

******************
Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
— muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,

Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!

Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —
um belo poema sempre leva a Deus!

Mário Quintana...

Texto extraído do livro "Nova Antologia Poética", Editora Globo - São Paulo, 1998, pág. 105.
Adriana Luz e Mário Quintana
Enviado por Adriana Luz em 02/03/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras