Adriana Luz

Para sempre na areia...

Textos

Era eu uma vez...
*
*

Agora eu era tudo o que eu queria... De sobremaneira vestida [ou invertida]
Descendo [ou subindo] as escadas da vida... E nesse tempo [da saudade] não havia bons ou maus [somente gente]... Éramos todos [sem maldade] com única função: ser gente.

Os sábados, enormes. As tardes, gigantes. E era um tempo que dava tempo...

E era fatal: tudo terminava em festa. E o melhor da festa não era a festa, era o que iria ser...
O cheiro denunciava, a correria denunciava, os preparativos denunciavam: aquela seria melhor que a anterior. E dependendo do que antecedia, o que viria já era previsível.. E as previsões sempre eram, mesmo quando não eram...

Porque havia tempo...
Porque tudo era... e tudo poderia ser...

(Agora eu era tudo... E agora eu era... Não sei.)


(Adriana Luz – março de 2009)

*
*
Adriana Luz
Enviado por Adriana Luz em 28/03/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras