Adriana Luz

Para sempre na areia...

Meu Diário
22/10/2009 10h12
AMAR
Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?

sempre, e até de olhos vidrados, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?


Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.


Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.


Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita
.


(C.D.A)

*
*

Publicado por Adriana Luz em 22/10/2009 às 10h12
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
14/08/2009 19h04
Canção Amiga


Eu preparo uma canção em que minha mãe se reconheça,  todas as mães se reconheçam, e que fale como dois olhos.

Caminho por uma rua  que passa em muitos países.

Se não me veem, eu vejo e saúdo velhos amigos.

Eu distribuo um segredo como quem ama ou sorri.

No jeito mais natural dois carinhos se procuram.

Minha vida, nossas vidas formam um só diamante.

Aprendi novas palavras e tornei outras mais belas.

Eu preparo uma canção que faça acordar os homens e adormecer as crianças.


(Carlos Drummond de Andrade)

*
 

Publicado por Adriana Luz em 14/08/2009 às 19h04
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
17/07/2009 11h30
Apenas começamos...


*
*

" A nossa estória não estará pelo avesso
Assim, sem final feliz.
 
Teremos coisas bonitas para contar.
E, até lá, vamos viver
Temos muito ainda por fazer.
 
Não olhe para trás  -
Apenas começamos.
 
O mundo começa agora -
             Apenas começamos."
 
             (Renato Russo)
         

           *
           *

Publicado por Adriana Luz em 17/07/2009 às 11h30
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
03/07/2009 11h07
CANTA MARIA

Canta Maria (Fernanda Takai)


Canta, Maria
A melodia singela
Canta que a vida é um dia
Que a vida é bela, minha Maria,
Lá, lá, lá, lá, lá,
Maria é meu amor
Lá, lá, lá, lá, lá,
Amor que me faz chorar
Plantei um pé de alecrim
Um pé de alecrim, para perfumar
A nossa linda casinha
Tão simplezinha, que dá gosto olhar

*
*

Publicado por Adriana Luz em 03/07/2009 às 11h07
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
12/06/2009 10h59
ANDANÇA...

Meu tema de  hoje para o DIA DOS NAMORADOS...

************


Vim tanta areia andei
Da lua cheia eu sei, uma saudade imensa
Vagando em verso eu vim vestido de cetinm
Na mão direita rosas vou levar

Olha a lua mansa...
Se derramar
Ao luar descansa
Meu caminhar..
Meu olhar em festa...
Se fez feliz
Lembrando a seresta
Que um dia eu fiz
(por onde for quero ser seu par)

Já me fiz a guerra...
Por não saber
Que esta terra encerra
Meu bem-querer...
E jamais termina
Meu caminhar ...
Só o amor me ensina
Onde vou chegar
(por onde for quero ser seu par)

Rodei de roda andei, dança da moda eu sei
Cansei de ser sozinha
Verso encantado usei, meu namorado é rei
Nas lendas do caminho Onde andei

No passo da estrada...
Só faço andar
Tenho a minha amada
A me acompanhar...
Vim de longe léguas
Cantando eu vim...
Vou não faço tréguas
Sou mesmo assim
(por onde for quero ser seu par)

Já me fiz a guerra...
Por não saber
Que esta terra encerra...
Meu bem-querer
E jamais termina
Meu caminhar...
Só o amor me ensina
Onde vou chegar
(por onde for quero ser par)

(Andança
- Composição: DaniloCaymmi, Edmundo Souto e Paulinho Tapajós)

 

Publicado por Adriana Luz em 12/06/2009 às 10h59
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 5 de 30 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras