Adriana Luz

Para sempre na areia...

Meu Diário
17/09/2008 15h31
Se eu fosse um padre




Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
- muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,


não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,


Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!


Porque a poesia purifica a alma
... a um belo poema - ainda que de Deus se aparte -
um belo poema sempre leva a Deus!
 

(Mário Quintana)



*


Publicado por Adriana Luz em 17/09/2008 às 15h31
 
12/09/2008 18h57
Referências...
Muito bom quando servimos de "inspiração"...  Traz um certo sentimento de que, de repente, se faz (ou fez)  parte de algo...




******************

 "(...)  A fagulha ou explosão, ‘big bang’ criativo, na realidade foi um pedido da mítica Adriana Luz, que foi minha professora de literatura num ensino médio distante. Ela queria um texto de minha autoria para figurar em sua página na internet. Chama-se ‘Um Breve Bloqueio’ e está lá até hoje. Adriana queria um texto sobre alguma recordação, conceito chave da sua página ‘Marcas na Areia’ e eu acabei escrevendo um texto ensaiando sobre o ato de não querer recordar e fiquei bem espantado ao relê-lo um ano depois. 

Digamos que há um ano eu estava passando por um momento bastante turbulento. Além de ter sido privado das minhas turmas favoritas fui abandonado pela namorada que eu tinha na época. ‘Um Breve Bloqueio’ fala basicamente sobre o que eu não queria falar naquele momento. Os que me lêem e me conhecem desde sempre talvez percebam a estranha atração que sinto por situações antagônicas, passar do topo para a merda em questão de segundos. E eu realmente aprecio com uma estranha serenidade as mudanças bruscas de estação que o destino me impõe.
 
O velho blog possuía um público (o Laerte, a Mip e a Dra. Maga) assim como muitas coisas que escrevi ganharam público. Uma vez que a Adriana não gosta de futebol, lembrei que eu deveria escrever sobre coisas e a partir de inspirações que um dia (e ainda) compartilhamos. Música, versos, arte, literatura. 

O primeiro ano do Evil FC foi marcado por uma tentativa de re-organizar e me redefinir por completo. Um ciclo se encerrou e creio que este segundo ano do Evil FC será a hora e a vez das ‘cicatrizes serem mostradas’. A situação toda coincidindo com o lançamento do novo álbum do Metallica foi a ‘cereja no bolo’. Aquilo que foi a primeira grande atração do Evil FC foi uma lista de 10 grandes discos de rock que tiveram impacto na minha vida. O ‘top 1’ foi o black album do Metallica, que pode ser considerado o marco zero da minha existência. Contrastando com a capa negra do disco de 1991, ‘Death Magnetic’ recém lançado tem uma capa branca e pode se tornar para o Metallica aquilo que o ‘White Album’ representa para os Beatles.
 
Ali pelos 14 ou 15 anos eu comecei a escrever versos e eu acabava ‘armazenando-os’ em enormes cadernos de 10 matérias. Ainda os tenho. Eu os encapava com imagens que recortava de revistas de rock fazendo das capas mosaicos cobertos com papel contact. Acredito que haja 4 ou 5 volumes dentro da minha estante. Não eram diários, mas ali também constavam as primeiras reflexões sobre as bandas que eu ouvia, traduções de músicas. Aquilo teve um público, mais precisamente minhas amigas Jana e Jaque que acho que nunca foram mencionadas aqui. Hoje a Jana é casada com o Alessandro e eles vivem no Rio Grande do Sul. Eles ficaram juntos pela primeira vez ali por volta de 97/98 num show do Cidade Negra em Londrina. Eu disse a Jana que o Alessandro gostava dela e até hoje acredito que tal feito tenha sido um ‘highlight’ da minha vida. A Jaque é irmã da Jana e tem um filho, o pequeno Renan!
 
O blog é como os meus velhos cadernos, a diferença é que muitas outras pessoas podem ler o que eu escrevo."

(KAZUO SUSHI http://evilfc.zip.net/ )



Parabéns, Sushi, pelo aniversário de seu blog! Obrigada pelas referências a mim... 



Adriana Luz


*

Publicado por Adriana Luz em 12/09/2008 às 18h57
 
26/08/2008 21h26
Poema que Aconteceu

Nenhum desejo neste domingo
nenhum problema nesta vida
o mundo parou de repente
os homens ficaram calados 
domingo sem fim nem começo.

A mão que escreve este poema
não sabe o que está escrevendo
mas é possível que se soubesse
nem ligasse.


(Drummond)


Publicado por Adriana Luz em 26/08/2008 às 21h26
 
23/08/2008 17h02
Os seus meus melhores anos...
 

 

Poderiam ser dois ...

oito ou quinze...

E me dei conta:

são dezoito...

 

Mas doze mais seis

Sete mais um...

Dezoito ou cem...

Que relevância tem

se em qualquer tempo,

sentimentos...

 

Todos iguais.

Em mim... e você também...

 

Desde o primeiro momento.

Tudo ímpar... e mais além...

 

Não há como dizer:

te amo a cada dia mais

 

Todo o amor inteiro

veio com o amor primeiro  

 

Sem eu nem saber

o que tudo o mais (que eu queria)

você seria

 

O amor já estava ali

 

Mas acontece que o tudo o mais

veio também...

 

(E todos os seus anos sempre foram os meus...

 melhores anos...)

 

Por isso ainda estou aqui...

 

Feliz aniversário! Te amo!

 

(Adriana Luz – 24 de agosto de 2008)

 

Publicado por Adriana Luz em 23/08/2008 às 17h02
 
19/08/2008 20h46
Baila comigo

 

Se Deus quiser,
Um dia acabo voando
Tão banal assim como um pardal
Meio de contrabando
Desviar do estilingue
Deixar que me xinguem
E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, banho de sol

(...)

Se Deus quiser,
Um dia eu viro semente
E quando a chuva molhar o jardim
Ah, eu fico contente
E na primavera vou brotar na terra
E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, sol

(...)

(Rita Lee)


Publicado por Adriana Luz em 19/08/2008 às 20h46



Página 11 de 30 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras